Arquivo mensal: março 2013

Doe sangue – ou espaço em seu blog – e ajude a salvar vidas pelo mundo

Doar sangue

Doar sangue é MUITO importante, todo mundo sabe disso, mas ninguém doa. Prova disso é que os estoques de sangue dos hospitais vivem baixo, recentemente o pai de uma colega que veio a falecer precisava de sangue, um dos tipos mais raros que é o O+. Existem vários critérios que impedem a doação de sangue, se cada cidadão saudável doasse sangue pelo menos duas vezes ao ano, não haveria necessidade de campanhas emergenciais para coletas e reposição de estoques. Você sabia que ao fazer uma Doação de Sangue, você pode ajudar, pelo menos, três pacientes que precisam de transfusão?

Todos sabemos que é importante doar sangue. Mas, quando chega a nossa vez, sempre encontramos uma desculpa – Hoje está frio ou não estou disposto; nesses últimos dias tenho trabalhado muito e ando cansado; será que esse sangue não me vai fazer falta… – e vamos adiando a doação que poderia salvar a vida de uma pessoa.

OMS – Organização Mundial da Saúde recomenda que 5% da população doe sangue anualmente. No Brasil, a cada dois minutos é necessária uma transfusão.

cruz-vermelha

Para reverter essa situação – e evitar que os bancos de sangue fiquem cheios em janeiro, mas vazios em julho, por exemplo -, a Cruz Vermelha PE criou a campanha #doeexemplo, em parceria com a agência Arcos Brasil. Além de divulgar a rede permanente de doadores Clube 25, a instituição convida blogueiros a inserir uma animação em seu site. Assim, todo vídeo postado no blog é acompanhado por uma bolsa de sangue que se esvazia a medida que o é assistido. Ou seja, o vídeo só roda completamente quando acaba o sangue da bolsa e, quando isso acontece, aparecem os dizeres: “Deixe a vida acontecer. Doe sangue”. Veja como funciona, na imagem e no vídeo abaixo e confira no site do INCA como doar:

 

Anúncios

Novo aplicativo ajuda cegos a encontrar outros

ovo aplicativo ajuda os cegos encontrar o outro

Emma testa um aplicativo novo protótipo que permite que pessoas cegas encontrar outros cegos.

“Nós combinamos de nos encontrar em um shopping center, mas, com o passar do tempo, comecei a me perguntar por que minha esposa chegava tão tarde”, diz Doug Wakefield, uma metade de um casal cego que visitou a conferência de tecnologia CSUN acessíveis em San Diego.

Sua esposa Judy retoma a história: “Eventualmente, alguém veio até mim e disse, você está esperando por um homem com um cão-guia?

“Fomos para atender na entrada principal, mas eu estava à esquerda da porta e Doug estava de pé à direita, a apenas dez metros de distância.”

Muitas pessoas cegas têm amigos cegos, então este jogo de gato e rato ocorre regularmente. Pode ser engraçado, mas é certamente um pouco frustrante.

Como os telefones inteligentes estão rapidamente se tornando uma parte fundamental do conjunto de ferramentas que uma pessoa cega, talvez não seja surpreendente que alguém já criou “um app para isso”.

Localizador de Pessoas tem uma interface muito básica, mas acessível. Como produtos mainstream com objetivos semelhantes, como Grindr para a comunidade gay e Spotme para redes em conferências, você tem que ter o aplicativo em execução, se você quer encontrar-se com pessoas de seu círculo.

Ele alerta o usuário, através de uma vibração e um barulho, quando alguém vem com o aplicativo dentro de 50 pés. Ele usa Bluetooth para detectar pessoas.

Quando você procurar o seu amigo, o aplicativo vai deixar você saber como você está perto, dizendo “perto” ou “frio” como você pé.

Para ajudar sutilezas sociais, há a opção de enviar mensagens a pessoa por meio do aplicativo.

Mike May é o cérebro por trás People Finder, que está sendo desenvolvido por sua empresa do Grupo Sendero. Eles têm 13 anos de experiência de fazer soluções acessíveis para pedestres cegos.

“Como uma pessoa cega eu adoraria estar ciente de quando alguém que eu sei que é  cego está por perto, para que eu possa encontrá-lo”, diz ele. “Como um bônus, você também vai ter cuidado para não falar de alguém se você sabe que pode estar na distância de audição”.

Outro participante da conferência CSUN é Julian Vargas da Califórnia. Ele espera para testar o aplicativo em uma linha de ônibus local para ver se ele pode manchar o ônibus que seu amigo já está, para que eles possam viajar juntos. Seu amigo não pode ver e acenar para ele através da janela e por isso é muito fácil chegar na pessoa errada, sozinho.

“A forma como tendem a fazê-lo agora”, diz Julian, “é através do envio de mensagens de texto. Este aplicativo seria bom, porque se os meus amigos estão executando-o, quando o ônibus estaciona, teoricamente, de repente o meu telefone deve dizer que vê o seu telefone.”

Pessoas cegas já tem uma série de estratégias para deixar um amigo cego saber que eles estão próximos. A melhor maneira é usar a sua voz para que o seu amigo possa ouvi-lo, mas, socialmente falando, parece um pouco estranho falando apenas para si mesmo para que as pessoas cegas possam fingir estar tendo uma conversa telefônica ou pet seus cães-guias dizendo “Botões bom menino” um pouco mais alto do que de costume.

Ele pode ter passado pela sua mente que pode haver um grande risco à segurança de ter as pessoas já vulneráveis ​​anunciando-se digitalmente através do ar para que outros possam encontrá-los. Algumas aplicações da variedade de pessoas de inquérito têm causado preocupação, mas a dinâmica pode parecer um pouco diferente aqui. Potenciais stalkers visão já pode ver as pessoas cegas a 50 pés, e é provável que sabem que não podem ver se eles estão usando um cão, uma bengala branca ou que não está negociando obstáculos muito elegante, de modo que o aplicativo não é vai traí-los mais do que o normal na maioria das circunstâncias. Usuários cegos podem considerar este um risco aceitável se isso significa que eles também podem encontrar os seus amigos.

Cem pessoas estão testando o aplicativo protótipo, que pode ser usado em ambientes fechados ou ao ar livre onde você estiver no mundo. Mike May está tendo problemas para conseguir financiadores e quer que todos os testadores atuais formem um “clube de fãs” para aumentar a sua visibilidade.

Artista vai para a cama em público para sensibilizar deficiência

Liz Crow

Quando Liz Crow anda por aí, ela adota uma forte imagem pública. Mas quando está em casa, ela tem que deitar e relaxar totalmente. Ela chama isso de “vida cama“.

Ela não está sozinha. Muitas pessoas com deficiência têm condições flutuantes que são dolorosas escondem o aspecto da recuperação de suas vidas de outras pessoas, por medo de que eles não serem compreendidas.

Anteriormente, a cantora escondeu o seu eu de outras pessoas no caso, eles viram como “não é socialmente aceitável”. Mas em abril, esta parte dela está prestes a se tornar muito pública.

Ela vai ficar na cama por 48 horas, uma exposição humana em Salisbury Arts Centre, em meados de Abril. Corvo acha que o momento é propício para ter uma conversa aberta sobre a vida oculta, que ela e os outros têm.

“Há uma pressão”, diz ela, “especialmente depois de no Verão passado e os Jogos Paraolímpicos, para ser uma espécie de super-homem quando está em público.

Durante o sono de dois dias sobre, Crow vai convidar os visitantes a se juntar a ela durante cinco chats cabeceira programadas sobre a vida de pessoas com deficiência. Uma das discussões será realizada no Twitter e através de texto SMS.

O artista admite que foi surpreendido com a quantidade de feedback que ela teve e está ansiosa para conectar as pessoas entre si: “Eu não tinha ideia de que há, na verdade, milhares e milhares de nós lá fora, que vivem este tipo de vida, porque nós somos realmente isolados e estamos realmente invisível na vida pública. “

cama Out instalação é em Salisbury Arts Centre. Liz Corvo estará “ao vivo” entre 10-12 de Abril.

Viral na internet para ajuda a deficientes

Joanne O'Riordan

A história da irlandesa Joanne O’Riordan, tem sido motivo de comoção em seu país já há muito tempo. Quando ela era apenas um bebê, seus pais foram a um conhecido programa de televisão para falar sobre como a grave deficiência da filha. Joanne não têm braços nem pernas, mas não havia abalado a confiança de que ela teria um grande futuro. Com apenas 16 anos Joanne tornou-se a porta-voz da luta pelos direitos das pessoas portadoras de deficiência em seu país.

A menina voltou a ganhar os holofotes da mídia quando se tornou viral na internet um vídeo em que o atual primeiro-ministro irlandês, Enda Kenny, lhe prometia que não faria cortes nas ajudas financeiras e serviços oferecidos a deficientes. Mas em seu primeiro orçamento, depois de vencer a eleição, que é exatamente o que ele cortou.

Consequentemente Joanne escreveu uma carta aberta de decepção no jornal Irish Examiner, que ganhou muita atenção e um vídeo de que promessa quebrada para ela se tornou viral. O governo fez uma inversão de marcha.

Joanne O'Riordan and friends

Em abril de 2012, ela falou em um evento de Meninas em TIC na sede da ONU em Nova York sobre o papel da tecnologia em sua vida. No final do seu discurso, ela pediu para criarem um robô para dar a ela a independência total. Tecnólogos do MIT e Apple levou isso a sério e já visitou Joanne na Irlanda para entender melhor suas necessidades. Joanne usa a tecnologia a cada dia. Ela tem um laptop para a escola e lição de casa, mas me diz que ela é viciada em seu iPhone.

Joanne é uma de apenas sete pessoas no mundo que sofre com uma doença rara conhecida como amelia total. Ela também tem escoliose ou curvatura da coluna vertebral.

Joanne O'Riordan depois que nasceuJoanne com o pai Joe. Ela foi nomeada depois que seus pais, Joe e AnnJoanne às vezes fica para roubar a televisão
.

Como dizer adeus?

despedida

Na terça-feira (19/03) morreu o pai de uma pessoa muito querida pra mim, Adriano Lellis, com apenas 43 anos ele não resistiu à espera de um transplante de coração. Um dia antes estava combinando com uma de suas filhas de sairmos para jantar, ela bastante esperançosa e eu feliz por conseguir dois doadores com o mesmo tipo sanguíneo. Porém, na manhã seguinte veio a mensagem de seu falecimento.

Confesso que fiquei sem chão naquele momento, senti um aperto sem fim no meu coração imaginando como estaria sendo doloroso para ela essa perda, e o que eu senti tenho certeza que não passou nem perto do que ela possa estar sentindo. Eu não sei o que dizer nessas horas, acho que nada é capaz de sanar a dor. Todos vamos morrer um dia, mas será que estamos preparados para esse momento? Estamos preparados pra dizer adeus para quem amamos mesmo sabendo que ele está sofrendo?

Confesso que no mesmo dia em que tive a triste notícia, dei um abraço apertado no meu pai e dormi com ele na cama abraçada, “é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, porque na verdade não há”. O que parece uma simples música de efeito, toma o mais literal sentido diante da possibilidade perdermos aquele que amamos.

A família desejo meus sinceros sentimentos, a minha querida, realmente queria poder dizer algo que alguém não tivesse dito, mas só posso dizer que estou aqui, para o que você precisar.

Viviane Lima

Um apelo de um coração desesperado

homem-chorando

Minha mãe está com câncer e já tentarmos 3 linhas de quimioterapia que não funcionaram. Foi indicado o uso de um medicamento que custa 6 mil reais por mês ou outro que custa 17 mil reais por mês, na tentativa de diminuir a progressão da doença. Entramos com pedido pelo SUS para receber o medicamento de graça e o pedido foi NEGADO! Estamos tentando por outros meios, mas até agora nada.

Estou procurando desesperadamente alguém que tenha um medicamento chamado Pazopanib (nome comercial: Votrient) ou outro chamado Temozolamida (nome comercial: Temodal). São as nossas últimas esperanças!

Se alguém infelizmente teve uma pessoa na família ou um conhecido que teve câncer e faleceu e tem o medicamento sem uso em casa, ou alguém que teve o tratamento interrompido e ainda tem algumas cápsulas, peço que me mandem uma mensagem! Pelo menos até conseguirmos uma outra fonte que forneça esses remédios.

Talvez esse seja o meio de conseguir ver minha mãe bem por mais um tempo.

Esse texto foi compartilhado na página pessoal de Gabriel Debia.

Chorão: a voz que deixou vários órfãos

Chorão Charlie Brown

Grandes personalidades do rock morreram: Kurt Cobain, Jimi Hendriz, Janis Joplin, Gary Train entre outros. Um fato memorável no rock internacional foi o acidente de avião ocorrido em 1959 nos Estados Unidos, que vitimou Buddy Holly, Ritchie Valens e J.P. Richardson, no que se tornaria conhecido mais tarde como “o dia em que a música morreu“. Um outro acidente aéreo foi de grande repercussão no Brasil quando, em 1996, um Learjet colidiu com a Serra da Cantareira em São Paulo, matando todos os integrantes da banda Mamonas Assassinas. A morte do cantor Elvis Presley em 1977 que abalou milhares de fãs, gerando tal comoção que persiste entre muitos deles até hoje a teoria de que o cantor continua vivo.

Mas esse que nos deixou no dia 13/04 esta quarta-feira teve a morte certa. Eu estava tomando meu café da manhã matinal quando no intervalo do Globo Rural, eis que surge a bomba. Fiquei pasma e imediatamente mandei um sms para um amigo falando que ele tinha morrido, a resposta foi: “quem se importa?” Muitas pessoas se importaram, você pode até não gostar das atitudes que ele tinha, achar que ele era um babaca drogado, e nem mesmo ouvir os últimos CDs, mas em algum momento você já curtiu. Quem somos nós pra julgar as ações de outras pessoas?

Ouvi da minha mãe a seguinte frase: “ele saiu das ruas, passou fome, tinha tudo e se acabou por causa das drogas, ele era um idiota”. Sim, ele era um idiota, mas não se pode medir o sofrimento alheio,  falar mal é fácil, mas tente se colocar por um segundo na pele da outra pessoa. Alexandre Magno Abrão não era perfeito, longe disso! Mas era HUMANO.

Abaixo um texto que o Japinha, do CPM 22publicou sobre a morte do Chorão.

“Bom dia.

É com pesar que escrevo aqui, afetado pela morte do colega Chorão, do Charlie Brown Jr.

Muitos aqui sabem o quanto foi grande a briga entre CPM22 e Chorão e o quanto isso afetou muita coisa na carreira e na nossa vida. Mas são águas passadas e já estava quase tudo superado.

Eu particularmente, na maioria das vezes, fui super bem tratado por ele e não queria nem um pouco o mal dele. Pelo contrário, sabia dos seus defeitos (que muitos aqui sabem também), mas sabia de um lado enorme bom dele, ele tinha um grande coração.

Além disso, o enorme talento para o rock, para a música nacional. Deixou um legado de fãs incrível, um trabalho digno de entrar pra história do rock, com tantos ‘hits’ e shows sensacionais. Seu carisma e habilidade no microfone eram gigantes.

Meus sentimentos à sua família (sou amigo de seu filho de 20 anos), aos membros da banda (amigos também) e à toda a ‘Família Charlie Brown Jr’.

Japinha”