Arquivo mensal: julho 2012

Música da semana – Candle In The Wind

Vela ao Vento

Adeus, Norma Jean,
Embora eu nunca a tenha conhecido
Você possuía o encanto de se manter de pé
Enquanto todos à sua volta rastejavam.
Como cupins saídos das madeiras,
E sussuravam para a sua mente,
E a colocaram num moinho, dando voltas
E a fizeram mudar de nome.
E me parece que você viveu sua vida
Como uma vela ao vento,
Sem saber onde se agarrar
Quando a chuva chegava.
E eu adoraria tê-la conhecido
Mas eu era só um garoto,
Sua vela queimou muito antes
Da sua lenda se apagar.
A solidão era difícil,
Foi o papel mais difícil que você encenou.
Hollywood criou uma superstar
E a dor foi o preço que você pagou.
Até mesmo quando morreu
A imprensa ainda lhe explorou –
Tudo que os jornais tinham a dizer
Foi que Marilyn foi encontrada morta nua.
Adeus, Norma Jean,
Do jovem que aos 22 anos
Lhe enxerga como algo muito mais que sexual,
Muito mais do que apenas nossa Marilyn Monroe.
Anúncios

Atividade cerebral aumenta momentos antes da morte

Algumas pessoas que estiveram à beira da morte mas sobreviveram para contar a história já relataram experiências interessantes. Entre as visões de moribundos mais comuns, estão a de se caminhar em direção a uma luz brilhante ou estar flutuando acima do próprio corpo. Cientistas da Universidade de Washington (EUA) divulgaram um estudo a respeito dessas sensações.

A partir do acompanhamento do cérebro de sete pessoas em estado terminal através de eletro encefalogramas (que medem os impulsos elétricos no cérebro), eles descobriram que há uma cascata de impulsos nervosos quando o organismo sente que a morte se aproxima. O fenômeno, geralmente, atinge um pico e decresce. Quando ele acaba, a pessoa normalmente é declarada, embora haja exceções, é claro, de pessoas que acabaram sobrevivendo. A partir delas e de seus relatos, aliás, é que partiu o estudo.

A explicação encontrada para o processo é a seguinte: como o fluxo de sangue no cérebro diminui e há uma queda vertiginosa no nível de oxigênio, os neurônios (células do cérebro) reconhecem o sinal e lançam seus últimos impulsos elétricos em uma descarga rápida e intensa, o que provoca as sensações relatadas. Cada história de sobrevivente de estado terminal tem características únicas, o que mostra que os cérebros reagem de forma diferente a essa derradeira (ou não) descarga nervosa.

Fonte: [Telegraph]

Pensamento do dia

Falar de morte é importante

Nem começamos a ter atualizações diárias, e já temos o reconhecimento de um dos principais jornais do Brasil, a Folha de S.Paulo.

Nesta terça, a publicação  escreveu um texto sobre luto nas redes sociais. A nossa página foi citada pela jornalista, que também entrevistou vários especialistas.

Quando me sugeriram começar esse projeto, me perguntei até que ponto eu conseguiria ir, pois lidar com a vida das outras pessoas não é fácil. Mas fui conhecendo gente, histórias de vida emocionantes, que me motivaram a seguir em frente.

A atenção que a Folha deu ao assunto só reforça a minha certeza de que é importante, não só para mim, mas para todas as pessoas que enfrentam alguma situação ligada à morte, compartilhar experiências e mensagens construtivas.

Obrigada a todos!