Arquivos do Blog

A morte que não mata mas mutila

Viviane Lima (vivifacts)

Sempre achei que ligações familiares no meio da noite fossem um mal sinal. Lamentavelmente eu estou certa, engraçado meu TCC ter sido sobre morte.

Acabo de receber uma notícia ruim, meu tio, irmão de minha mãe faleceu. Sentiu uma dor no peito, foi para o hospital e bateu as botas. Cantou pra subir, morreu.

Parece frio, mas depois de ver minha mãe cair em lágrimas, o que verdadeiramente me mata, me sinto anestesiada.

Veja bem, tive pouquíssimo contato com esse tio, ele morava no Ceará, mas faltava apenas um mês para vê-lo com minha mãe, afinal de contas é pra lá que vamos nas férias de julho.

É a terceira vez que vejo minha mãe se despedaçar, a mais velha de cinco irmãos. Perdeu a mãe atropelada, um ano depois minha tia sofreu um acidente e agora meu tio se vai. E ela tem aquela terrível sensação de que a família está acabando.

Deve doer, mas no meu avô que foi marido e é pai a dor deve ser ainda mais latejante. Minha mãe disse: “isso não é natural”. Fui obrigada a discordar.

A morte faz parte da vida, é algo natural embora não seja corriqueira.

Texto original

Anúncios